Alliance Gestão & Tecnologia

Tecnologia aplicada à administração e Processos Administrativos

Maslow e a teoria da motivação humana – parte 2

Posted by Robson Nery Souza Garcia em quarta-feira (30), setembro, 2009

Para quem não acompanhou, segue o link para parte 1.
Maslow e a teoria da motivação humana – parte 1
 

Continuando nosso post sobre a teoria da motivação humana por Maslow, vamos detalhar cada uma necessidades humanas definidas por Maslow e tentar traças um paralelo da teoria com o nosso dia a dia nas organizações. Alguns itens vão estar explicitados na explicação sobre as camadas na teoria de Maslow, por isso não vamos abordá-las quando formos expor a relação de cada uma com as organizações atuais.

maslow_fisiologia
As primeiras necessidades humanas identificadas são as necessidades fisiológicas. São necessidades comuns a todos os seres humanos. Comer, beber, ir ao banheiro, respirar. A princípio, olhamos para estas necessidade sem dar muita atenção.

Um erro comum em todas as organizações. As necessidades fisiológicas são as necessidades prioritárias do ser humano, é o básico de satisfação. Para as organizações, suprir estas necessidades é uma tarefa simples, mas pouco adotada. Vimos empresas que não fornecem um bom ambiente, não tem um local adequado para o café, vira e mexe falta papel higiênico, não tem água gelada. Se mensurarmos o custo dessas ações veremos que é irisório, mas ao mensurarmos o impacto negativo na rotina de trabalho, aí sim veremos o quanto é importante para os nossos colaboradores.

maslow_seguranca
A segunda necessidade a ser satisfeita é a nessecidade de Segurança. Segurança é um termo amplo. Para Maslow, a segurança envolve questões físicas, financeiras, estabilidade, saúde, familia. O ser humano quer se sentir seguro, seja em questões de violência, ter uma reserva financeira, uma família estruturada, poder usufruir de sua saúde. A sensação de segurança está focada em seu mundo particular, mesmo com a onda de violência, existe uma zona de conforto única a cada indivíduo.

É, este item abre uma discussão interessante sobre o papel da organização em relação à segurança de seus colaboradores e a própria segurança do empresário. O que seria segurança relacionada à sua organização ? Você consegue enxergar a relação estreita que existem entre a segurança do empresário e seus colaboradores ? É fundamental identificar esta relação e perceber que, quando mais segurança organizacional existe, mais produtivo é a equipe, e quando falamos em equipe, estamos contemplando todos os níveis hierárquicos.

Em relação aos colaboradores, o maior temor é a demissão, e as consequências deste temor é um trabalho com baixa qualidade, falta de concentração, falta de comprometimento, busca por um novo emprego. É muito difícil para eles, em um país como o nosso, obter uma estabilidade emocional sabendo que o cenário atual é de muitos desempregados e que, se ele sair hoje, amanhã vão aparecer 100 candidatos para sua vaga. Aliados a isso, a responsabilidade com a casa, família, amigos. A pressão que a sociedade exerce sobre cada um deles é muito grande, já que vivemos em um constante estado de socionomia.

Aos empresários, cabe a manutenção de seu negócio e a responsabilidade para com seus colaboradores internor (funcionários) e externos (prestadores de serviço, parceiros, etc.). Neste sentido, vimos como principal fator de acompanhamento e controle, a saúde financeira da empresa, e está é sem sombra de dúvida, o que gera a maior sensação de insegurança para eles. Analisando um cenário inseguro para os colaboradores, podemos observar que, na maioria das vezes, o empresário também é afetado diretamente e tomado por uma sensação de insegurança em relação a sua capacidade produtiva.

Por experiência própria e pelo feedback de vários amigos, varios componentes deste cenário descrito acima são comuns nas empresas hoje em dia. Na minha opinião muitos empresários criaram uma cultura organizacional onde a baixa capacitação é adequada à capacidade produtiva da empresa,  e a margem de lucro desejada, criando uma zona de conforto, já que, mão de obra não qualificada é chuchu e assim acabo com problemas com rotativa. Meu conselho é: aposte na sua equipe! Capacite ao máximo, crie programas de valorização individual e por equipe (óbivio que respeitando a saúde financeira e com um planejamento estratégico bem definido). Os benefícios são claros: maior qualidade, maior produtividade, inovação, melhor resposta às mudanças de cenário, coesão da equipe, dentre outros. Para ilustrar um pouco isso, me lembrei de uando abri minha primeira empresa, tinha uns 20 anos, e contratei um contador mais barato, mais inesperiente, achando que tudo era mesma coisa… no final das contas, descobri que perdi um monte de incentivos do governo (acabei pagando mais imposto), nunca consegui financiamentos adequados (fiquei literalmente prá trás em relação à concorrência) e as orientações eram vagas e desencontradas.

 Ainda faltam mais 3 camadas da pirâmide. Aguardo o feedback de vocês.

Um abraço a todos,

Robson Garcia

About these ads

2 Respostas to “Maslow e a teoria da motivação humana – parte 2”

  1. [...] Maslow e a teoria da motivação humana – parte 2 [...]

  2. [...] Maslow e a teoria da motivação humana – parte 2 [...]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: